Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Filosofia / Dicionário de Umbanda
Dicionário de Umbanda

Livro: Dicionário de Umbanda

Autor - Fonte: Altair Pinto

Ir para a página:

...DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS Revisão NAASSON VIEIRA PEIXOTO Os conceitos emitidos são de inteira responsabilidade do autor. EXPLICAÇÃO NECESSÁRIA. Como este é o primeiro Dicionário da Umbanda, que publicamos, acham-se nele contidos, diversos vocábulos que procuramos conservar a ortografia. Por conseguinte, nos vocábulos onde entram as letras K, Y, W e as palavras terminadas em N procuramos não alterá-las desta feita. Exemplo KINBANDA — Quimbanda IWIN — Ivin YALORIXÁ — Ialorixá OJÔ-KOKORÔ — Ojô-Cocorô OGAN — Ogã INHANÇAN — Iansã AGIBONAN — Agibonã Em próxima edição iremos fazer o aportuguesamento das mesmas, a fim de facilitar a identificação das palavras já em uso corrente, dentro da religião umbandista e cultos Afro-Brasileiros A EDITORA PROÊMIO Face aos numerosos e insistentes pedidos dos leitores, que nos prestigiam, com a leitura das obras publicadas pela Editora Eco, vimo-nos na contingência de elaborar um dicionário que pudesse atender ao grande número de adeptos da Umbanda e do Candomblé, que, na maioria das vezes, desconhecem certas palavras de origem africana bem como de origem tupi, guarani e mesmo de outras nações que trouxeram consigo certas expressões que, por mais que se procure conhecer a sua etimologia, dificilmente se consegue. Por outro lado, atendendo às inúmeras sugestões que há muito nos vinham sendo feitas para que sua publicação se tornass...
extensiva aos escritores vivos, aqui estamos agora, com muitíssimo prazer, a dar cumprimento à nova e, aliás, bem ingrata missão a que nos propusemos. Como é absolutamente impossível apresentar, sem erros ou lacunas, registro do caráter deste, já, antecipadamente, sabemos que vamos cometer faltas e — o que é pior — desagradar a todos aqueles, cujas palavras aqui foram omitidas (mas não por nossa vontade). E, as que não foram omitidas, bem sabemos, irão servir para aumentar o conhecimento de cada um, porquanto, um dicionário é sempre uma necessidade constante, não só àqueles que praticam a religião de umbanda e o candomblé, como também aos leigos e curiosos, que sentem necessidade de conhecer, mesmo que seja para consulta. 5 Por tudo o que expusemos e inserimos neste dicionário, acreditamos que cumprimos bem nossa missão, já que se trata do PRIMEIRO DICIONÁRIO DA UMBANDA, e como sempre acontece em livros desta categoria, ficam sempre a desejar. Parece-nos, portanto, que não será muito justo sermos criticados, visto que em futuras edições, iremos aperteiçoá-lo cada vez mais, no sentido de servir melhor aos irmãos de fé, espalhados por este imenso país. Assim, como derradeira explicação deste proêmio, queremos desde já garantir que os verbetes que não constaram desta publicação, irão fatalmente figurar nas próximas edições. O AUTOR 6 A AAPÉ — Aí, nesse lugar. Esta palavra é usada quando, em alguma prática umbandista, se quer dizer a alguém que permaneça no mesmo lugar em que se encontra. ABA — Termo que significa paz espiritual, ou esperança para melhores dias. ABAÇÁ — Templo, tenda, Terreiro de Umbanda. ABAÇAÍ — Espírito sem luz e causador de obsessões. ABACÊ — Cozinheira que prepara as comidas de Santo, no culto Gêge. ABADA — É o nome, dado a uma túnica branca larga e de mangas compridas, usada nos terreiros pelos malês. ABADÔ — Milho, na linguagem africanista, quando usado em trabalhos. ABAGUALADO — Indivíduo arisco. Pessoa muito inculta. ABALA — Comida muito semelhante ao acarajé. ABALUAÊ — Nome com que é designado S. Lázaro. No culto Nagô significa o mesmo que Omulu. ABAÔ — Quer dizer um iniciando do sexo masculino, desenvolvendo-se mediunicamente num terreiro de Umbanda. ABARÁ — Comidas de pretos africanos como seja bolo de feijão, que vem enrolado em folhas de bananeira. ABARÉ — Médium com pleno desenvolvimento, que pode ser padre católico, como sacerdote ou missionário de outras religiões. ABARÉ-GUASSU — Bispo, Babalaô, Chefe de terreiro, podendo também ser mestre nos segredos de Quimbanda. ABARÉ-MIRIM — Médium seminarista, ainda quando em início o seu desenvolvimento. 7 ABATI — Tanto significa o milho, como o vinho especial feito do mesmo e muito usado nos terreiros. ABATINGA — Significa, na língua Nagô, pessoa já...
usada quando, em alguma prática umbandista, se quer dizer a alguém que permaneça no mesmo lugar em que se encontra. ABA — Termo que significa paz espiritual, ou esperança para melhores dias. ABAÇÁ — Templo, tenda, Terreiro de Umbanda. ABAÇAÍ — Espírito sem luz e causador de obsessões. ABACÊ — Cozinheira que prepara as comidas de Santo, no culto Gêge. ABADA — É o nome, dado a uma túnica branca larga e de mangas compridas, usada nos terreiros pelos malês. ABADÔ — Milho, na linguagem africanista, quando usado em trabalhos. ABAGUALADO — Indivíduo arisco. Pessoa muito inculta. ABALA — Comida muito semelhante ao acarajé. ABALUAÊ — Nome com que é designado S. Lázaro. No culto Nagô significa o mesmo que Omulu. ABAÔ — Quer dizer um iniciando do sexo masculino, desenvolvendo-se mediunicamente num terreiro de Umbanda. ABARÁ — Comidas de pretos africanos como seja bolo de feijão, que vem enrolado em folhas de bananeira. ABARÉ — Médium com pleno desenvolvimento, que pode ser padre católico, como sacerdote ou missionário de outras religiões. ABARÉ-GUASSU — Bispo, Babalaô, Chefe de terreiro, podendo também ser mestre nos segredos de Quimbanda. ABARÉ-MIRIM — Médium seminarista, ainda quando em início o seu desenvolvimento. 7 ABATI — Tanto significa o milho, como o vinho especial feito do mesmo e muito usado nos terreiros. ABATINGA — Significa, na língua Nagô, pessoa já envelhecida e de cabelos brancos. ABEDÊ — É o leque do Oxum, quando feito de latão, ou de Iemanjá, quando todo pintado de branco. ABERÊ — Tatuagem feita em qualquer parte do corpo ABEREM — Pasta de milho feita de água e açúcar, enrolada em folhas de bananeira. ABIÁ — Mocinha ainda muito nova que freqüenta o Candomblé. Médium feminino que chegou a cumprir apenas a parte inicial do ritual, não tendo chegado ainda a ser "feita". ABICHORNADO — Significa pessoa abatida, doente. ABLEPSIA — É a cegueira espiritual, quando se quer fazer referência a um espírito sem luz. ABÔ DOS AXÉS — Água contendo ervas maceradas, sangue de todos os animais mortos no Terreiro. ABORÉ — Significa o Babalaô de mais idade, sendo o Maioral entre os demais pais-de-santo e Sacerdote-chefe dos trabalhos no culto Nagô. ABRICÓ — O mesmo que damasco (fruta). ABRIDEIRA — Aperitivo, que tanto pode ser cachaça como outra bebida alcoólica qualquer. ABRIR A GIRA — Significa o início ou abertura dos trabalhos nos terreiros de Umbanda. V. Gira. ABRIR A MESA — Trata-se de uma cerimônia na qual, estando presente o Pai-de-Santo, este resolve todas as perguntas que lhe são dirigidas. O aparelhamento é composto da seguinte forma: uma mesa na qual é acesa uma vela e um copo com água, é estendida uma guia, sendo que, no círculo por ela formado, são jogados os búzios. ABRIR A TOCA — O mesmo que dar início...
envelhecida e de cabelos brancos. ABEDÊ — É o leque do Oxum, quando feito de latão, ou de Iemanjá, quando todo pintado de branco. ABERÊ — Tatuagem feita em qualquer parte do corpo ABEREM — Pasta de milho feita de água e açúcar, enrolada em folhas de bananeira. ABIÁ — Mocinha ainda muito nova que freqüenta o Candomblé. Médium feminino que chegou a cumprir apenas a parte inicial do ritual, não tendo chegado ainda a ser "feita". ABICHORNADO — Significa pessoa abatida, doente. ABLEPSIA — É a cegueira espiritual, quando se quer fazer referência a um espírito sem luz. ABÔ DOS AXÉS — Água contendo ervas maceradas, sangue de todos os animais mortos no Terreiro. ABORÉ — Significa o Babalaô de mais idade, sendo o Maioral entre os demais pais-de-santo e Sacerdote-chefe dos trabalhos no culto Nagô. ABRICÓ — O mesmo que damasco (fruta). ABRIDEIRA — Aperitivo, que tanto pode ser cachaça como outra bebida alcoólica qualquer. ABRIR A GIRA — Significa o início ou abertura dos trabalhos nos terreiros de Umbanda. V. Gira. ABRIR A MESA — Trata-se de uma cerimônia na qual, estando presente o Pai-de-Santo, este resolve todas as perguntas que lhe são dirigidas. O aparelhamento é composto da seguinte forma: uma mesa na qual é acesa uma vela e um copo com água, é estendida uma guia, sendo que, no círculo por ela formado, são jogados os búzios. ABRIR A TOCA — O mesmo que dar início...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google