Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Espiritualidade / A Casa do Escritor
A Casa do Escritor

Livro: A Casa do Escritor

Autor - Fonte: Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho

Ir para a página:

...É sempre um prazer termos em mãos uma obra de encantos mil. É com orgulho carinhoso que prefacio esta obra. A Casa do Escritor é meu lar, amo o trabalho que ela promove. Patrícia, com sua linguagem simples e jovem, descreve-a tão bem que nos comove. É deveras A Casa do Escritor como foi narrada. É um pólo positivo da Literatura Brasileira e, principalmente, da Espírita, que tanto bem e tantas instruções tem semeado. A jovem escritora, que por algum tempo abrilhantou com sua presença nossa adorável Colônia, soube bem aproveitar todos os instantes aqui presente e até nas simples conversas soube aproveitar a oportunidade para conhecer. Com os trabalhos de equipe soube ser útil. E em todos os eventos soube aproveitar o máximo para depois escrever este livro. A Casa do Escritor é uma realidade que nossa Patrícia tão bem expõe aos seus leitores. Espero que este livro seja um incentivo a todos que trabalham com a Literatura edificante. E também aos que possam vir a trabalhar. Felizes os que se instruem e fazem dos seus conhecimentos alimentos saborosos para aqueles que anseiam por conhecer. Caros leitores, aqui está uma obra fantástica, um bocadinho de frutos do Saber sobre o Plano Espiritual. E que tão bem Patrícia nos descreve. Alegria! Antônio Carlos São Carlos - SP – 1993 ********** A Colônia De Estudo Como foi diferente o estado de alegria que senti quando chegou o momento de iniciar nova etapa de estudo. Um profundo j...
bilo preencheu toda minha alma à revelia do meu controle mental. Veio-me à memória o dito do grandioso Nazareno aos seus discípulos. 2 Trechos que tirei para meditar do Evangelho de João, dos capítulos XIV e XV. "Eu vos dou a minha Paz, vos dou a alegria, para que completa seja vossa Paz, repleta a vossa alegria." Que paz e alegrias eram estas? Pois foram dadas por um homem que não possuía nada, não desfrutava de bens mundanos. E, mais, ainda foram ditas antecedendo horas de muitas dores e tristezas, fatos e dificuldades que Ele iria enfrentar. A paz e a alegria que Jesus distribuía não estavam ligadas ao nosso modo de ver e viver. E, no entanto, eram vividas por um homem de carne, osso e espírito como nós. Quando encarnados, nossa alegria está ligada a sensações e prazeres dos sentidos, e até à satisfação de uma conquista mental, seja de força ou de erudição. A felicidade que buscamos no plano físico é sinônimo de ociosidade, prazer e ausência de dificuldades. Não conseguimos compreender que as dificuldades, quando não criadas por nós mesmos, são por via de regra instrumentos da natureza que não nos deixa cair na inatividade, pois a monotonia é a própria morte. A natureza é vida que se renova incessantemente. Como num acender de luzes, compreendi que a alegria perene não pode estar ligada a pessoas ou coisas. Não pode depender de estímulo nenhum para que aconteça. É um estado de ser em ventura, sem limites, por saber compreender. É viver a vida pela vida e não para ganhar alguma coisa ou atingir um fim. Conheci a felicidade real. Dois anos se passaram, nos quais fiquei a estudar na Colônia de Estudo: a Casa do Saber. Foi um período maravilhoso em que muito aprendi, fiz novos amigos, amadureci espiritualmente. Recordo que, ao chegar à Casa do Saber, me emocionei até as lágrimas e exclamei comovida: - Esta Colônia é linda! Que lugar de encantos e sonhos! De fato, a Casa do Saber é um lugar que para os encarnados só se poderia comparar a encantadores sonhos. Antônio Carlos, meu amigo querido, acompanhou-me. Volitamos tranqüilos. - Patrícia, vamos agora devagar. Observe a Colônia, é ali, naquele ponto radiante. Vi um ponto luminoso branco e logo já distinguia os prédios e jardins. A Colônia não é cercada. É fantástico vê-la, volitando. Meu amigo me esclareceu: 3 - A Colônia de Estudo não tem sistema de defesa. Todos que nela habitam vibram numa mesma intensidade que a sustenta. E só consegue vê-la quem vibra igual. A Colônia está suspensa no ar, como que em cima de uma grande e sólida nuvem. Para os encarnados, no lugar não existe nada, não é perceptível à visão dos encarnados e dos desencarnados que não sintonizam com suas vibrações. Descemos no círculo que está em sua volta. Para que me entendam, nesta parte sólida em que está a Colônia há um beiral de alguns metros e logo estão seus prédios e pátios. Sorri e...
saber compreender. É viver a vida pela vida e não para ganhar alguma coisa ou atingir um fim. Conheci a felicidade real. Dois anos se passaram, nos quais fiquei a estudar na Colônia de Estudo: a Casa do Saber. Foi um período maravilhoso em que muito aprendi, fiz novos amigos, amadureci espiritualmente. Recordo que, ao chegar à Casa do Saber, me emocionei até as lágrimas e exclamei comovida: - Esta Colônia é linda! Que lugar de encantos e sonhos! De fato, a Casa do Saber é um lugar que para os encarnados só se poderia comparar a encantadores sonhos. Antônio Carlos, meu amigo querido, acompanhou-me. Volitamos tranqüilos. - Patrícia, vamos agora devagar. Observe a Colônia, é ali, naquele ponto radiante. Vi um ponto luminoso branco e logo já distinguia os prédios e jardins. A Colônia não é cercada. É fantástico vê-la, volitando. Meu amigo me esclareceu: 3 - A Colônia de Estudo não tem sistema de defesa. Todos que nela habitam vibram numa mesma intensidade que a sustenta. E só consegue vê-la quem vibra igual. A Colônia está suspensa no ar, como que em cima de uma grande e sólida nuvem. Para os encarnados, no lugar não existe nada, não é perceptível à visão dos encarnados e dos desencarnados que não sintonizam com suas vibrações. Descemos no círculo que está em sua volta. Para que me entendam, nesta parte sólida em que está a Colônia há um beiral de alguns metros e logo estão seus prédios e pátios. Sorri encantada e atendi ao convite do meu cicerone. -Vamos entrar, Patrícia. Primeiramente iremos cumprimentar o diretor da casa. Caminhamos. Não há diferença do solo das outras Colônias. A Casa do Saber é uma Colônia pequena, está dividida em ruas. Andamos tranqüilos, nada de desconfiança. As pessoas que encontramos sorriam cumprimentando-nos. Olhava tudo curiosa. Tudo tão lindo! O ar é perfumado, a brisa é suave. Os prédios, harmoniosos. É uma Colônia encantadora, na qual poderia passar horas só olhando o conjunto, a Colônia em si. Paramos em frente de um prédio e entramos. Numa porta, com uma placa escrita Diretoria, meu amigo bateu e logo ela foi aberta. Antônio Carlos abraçou efusivamente um senhor de agradável aspecto, que em seguida veio até mim. - Esta é Patrícia de quem lhe falei. - Sou Alfredo. Encantado por tê-la conosco. Já escutei falar muito de você. Então, gostou da nossa Colônia? - Oh, me parece encantadora. O prazer é meu de estar aqui, sou grata pela acolhida. Amo aprender. Estar aqui é tudo que almejo no momento. Alfredo é muito agradável, olhar inteligente e sorriso amável. Por alguns momentos, os dois amigos passaram a trocar notícias de amigos comuns. Enquanto isso, observei a sala da diretoria. Tudo ali é paz, ela é espaçosa, com móveis claros, bonitos quadros na parede e vasos com flores. Bem atrás da escrivaninha estava bordada a oração de São Francisco de Assis, tão conhecida de todos n...
ncantada e atendi ao convite do meu cicerone. -Vamos entrar, Patrícia. Primeiramente iremos cumprimentar o diretor da casa. Caminhamos. Não há diferença do solo das outras Colônias. A Casa do Saber é uma Colônia pequena, está dividida em ruas. Andamos tranqüilos, nada de desconfiança. As pessoas que encontramos sorriam cumprimentando-nos. Olhava tudo curiosa. Tudo tão lindo! O ar é perfumado, a brisa é suave. Os prédios, harmoniosos. É uma Colônia encantadora, na qual poderia passar horas só olhando o conjunto, a Colônia em si. Paramos em frente de um prédio e entramos. Numa porta, com uma placa escrita Diretoria, meu amigo bateu e logo ela foi aberta. Antônio Carlos abraçou efusivamente um senhor de agradável aspecto, que em seguida veio até mim. - Esta é Patrícia de quem lhe falei. - Sou Alfredo. Encantado por tê-la conosco. Já escutei falar muito de você. Então, gostou da nossa Colônia? - Oh, me parece encantadora. O prazer é meu de estar aqui, sou grata pela acolhida. Amo aprender. Estar aqui é tudo que almejo no momento. Alfredo é muito agradável, olhar inteligente e sorriso amável. Por alguns momentos, os dois amigos passaram a trocar notícias de amigos comuns. Enquanto isso, observei a sala da diretoria. Tudo ali é paz, ela é espaçosa, com móveis claros, bonitos quadros na parede e vasos com flores. Bem atrás da escrivaninha estava bordada a oração de São Francisco de Assis, tão conhecida de todos n...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google