Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Espiritualidade / A Apometria no Contexto da Animagogia
A Apometria no Contexto da Animagogia

Livro: A Apometria no Contexto da Animagogia

Autor - Fonte: Adilson Marques

Ir para a página:

...A apometria no contexto da animagogia Adilson Marques – doutor em Educação pela USP e professor da Fundação Educacional São Carlos e Tutor na Universidade Aberta do Brasil. É autor de 16 livros abordando os temas espiritualidade, mediunidade contemporânea e paranormalidade. Rua 9 de julho 1380, salas 15 e 21 – centro – São Carlos/SP Introdução: o que é a animagogia? Em 2003 cunhamos o termo Animagogia para identificar um processo de educação espiritual universalista e ecumênico, cujo objetivo primordial é auxiliar aqueles que desejam libertar-se do Ego, ou seja, do agregado que envolve o Espírito e o impede de mostrar sua real Luz, já que o Espírito foi criado puro e perfeito, sem precisar “evoluir”. Animagogia, portanto, não deixa de ser um sinônimo para a expressão “reforma íntima”, desde que esta última seja entendida como um processo de mudança de consciência e de sensibilidade (metanóia) capaz de permitir ao Espírito humanizado condições de passar por suas provações com amor e sem condicionar sua felicidade a nada exterior, vivenciando a humanização que escolheu sem apegos ou aversões. Para estabelecer os princípios desse processo educativo, fomos buscar na sabedoria espiritual (psicosofia) dos principais mestres da humanidade os elementos necessários para fundamentar sua prática. Porém, a Animagogia, não pode ser pensada como uma nova “doutrina”, mas como uma teoria educativa que valoriza o proces...
o contínuo e permanente de autoconhecimento e transformação interior. Nesse sentido, os quatro pilares que a sustentam e que são de fundamental importância para compreendermos seu objetivo e abrangência sócio-espiritual são os seguintes: 1 – o desapego aos bens materiais, sentimentais e culturais Para a Animagogia, é de fundamental importância compreender que o mundo material existe, mas não é. Ele não tem substancialidade. Ele existe como realidade ilusória ou “miragem” para que possamos superá-lo. E para alcançar tal objetivo, os milenares e atuais ensinamentos de Lao-Tsé formam o seu primeiro pilar. É importante ressaltar que falamos nos ensinamentos de Lao-Tsé e não nas diferentes doutrinas e práticas taoístas. Estas já se constituem em conhecimento ou em cultura humanizada, deixando de ser uma Psicosofia (sabedoria espiritual). Assim, são as quatro virtudes ensinadas por Lao-Tsé e presentes nos diferentes poemas que formam o seu Tao Te Ching que devem ser colocadas em prática por todos aqueles que desejam vivenciar sua vida humanizada como Espíritos, mesmo que ainda presos aos laços da matéria, e não os rituais associados ao(s) taoísmo(s). Em suma, para libertar-se do Ego humanizado é necessário vivenciar interiormente a não-ação; o não-lutar, o não-desejo e o não-saber. Nesse pequeno ensaio não será possível abordar com mais profundidade essas quatro virtudes (o que fizemos em outros estudos que podem ser encontrados na Internet, em nosso blog: http://adilson.marques.zip.net/), mas o importante é salientar que elas são interiores (intenção sentimental) e não exteriores, ou seja, não estão ligadas aos atos ilusórios da vida humanizada, mas ao como eles são vivenciados. Em suma, podemos dizer que são atitudes espirituais. Assim, se tais virtudes não forem vivenciadas plenamente pelos Espíritos humanizados, estes continuarão presos às verdades criadas pelo Ego e, continuarão necessitando de consolo quando um parente desencarnar, quando o desemprego bater à porta, quando o filho não passar no vestibular ou se envolver com drogas, quando o carro for roubado ou quando o marido arrumar outra mulher, por exemplo. Rua 9 de julho 1380, salas 15 e 21 – centro – São Carlos/SP 2 – A fé incondicional Para a Animagogia é impossível vivenciar tais desapegos se não os pensarmos de forma recursiva e complementar aos ensinamentos espirituais (Psicosofia) de Krishna, e que formam o segundo pilar de nosso programa educativo. Podemos resumi-los na Fé incondicional em Deus. Da mesma forma que ressaltamos a Psicosofia de Lao-Tsé em detrimento das doutrinas taoístas, precisamos distinguir aqui os ensinamentos espirituais de Krishna das práticas exteriores que compõem as diferentes religiões e filosofias hinduístas, ou seja, às criações culturais que geram apegos ou aversões nos Egos humanizados. Em livros de teor universalista como Baghavad...
r encontrados na Internet, em nosso blog: http://adilson.marques.zip.net/), mas o importante é salientar que elas são interiores (intenção sentimental) e não exteriores, ou seja, não estão ligadas aos atos ilusórios da vida humanizada, mas ao como eles são vivenciados. Em suma, podemos dizer que são atitudes espirituais. Assim, se tais virtudes não forem vivenciadas plenamente pelos Espíritos humanizados, estes continuarão presos às verdades criadas pelo Ego e, continuarão necessitando de consolo quando um parente desencarnar, quando o desemprego bater à porta, quando o filho não passar no vestibular ou se envolver com drogas, quando o carro for roubado ou quando o marido arrumar outra mulher, por exemplo. Rua 9 de julho 1380, salas 15 e 21 – centro – São Carlos/SP 2 – A fé incondicional Para a Animagogia é impossível vivenciar tais desapegos se não os pensarmos de forma recursiva e complementar aos ensinamentos espirituais (Psicosofia) de Krishna, e que formam o segundo pilar de nosso programa educativo. Podemos resumi-los na Fé incondicional em Deus. Da mesma forma que ressaltamos a Psicosofia de Lao-Tsé em detrimento das doutrinas taoístas, precisamos distinguir aqui os ensinamentos espirituais de Krishna das práticas exteriores que compõem as diferentes religiões e filosofias hinduístas, ou seja, às criações culturais que geram apegos ou aversões nos Egos humanizados. Em livros de teor universalista como Baghavad Gita, Baghavad Puranas e outros, Krishna nos ensina a confiança e a entrega absoluta aos desígnios de Deus. O senhor da mente, ou seja, o Espírito esclarecido, não se move mais pelo egoísmo e pelo orgulho, mas deixa Deus criar e se contenta em ser fiel à luz do momento, pois sabe que ela traz tudo o que necessita e merece. O senhor da mente liberta-se da pretensão ao “direito autoral” em seus atos, pois aprendeu que não age por si mesmo e muito menos para si mesmo. Ele é um instrumento da justiça divina. Liberto do fruto de seu trabalho, o senhor da mente é indiferente às aprovações e também às críticas, por isso, não julga como justas ou injustas as opiniões de outros Espíritos humanizados. Em outras palavras, o senhor da mente não precisa mais de consolo ou da aprovação de outros seres humanizados, pois se encontra liberto da multiplicidade das aparências. O que ele busca apenas é a purificação de seu coração, através da vivência amorosa de todas as vicissitudes da vida humanizada, tanto as agradáveis como as desagradáveis. Em suma, busca vivenciá-las com equanimidade, sem euforia nas positivas ou desespero nas negativas. 3 – a felicidade incondicional Os dois pilares descritos anteriormente só sustentam esse edifício animagógico se relacionados com o seu terceiro pilar: os ensinamentos do Buda. De forma resumida, sua Psicosofia nos leva a vivenciar a vida humanizada em um estado de plenitude, ou seja, de felici...
Gita, Baghavad Puranas e outros, Krishna nos ensina a confiança e a entrega absoluta aos desígnios de Deus. O senhor da mente, ou seja, o Espírito esclarecido, não se move mais pelo egoísmo e pelo orgulho, mas deixa Deus criar e se contenta em ser fiel à luz do momento, pois sabe que ela traz tudo o que necessita e merece. O senhor da mente liberta-se da pretensão ao “direito autoral” em seus atos, pois aprendeu que não age por si mesmo e muito menos para si mesmo. Ele é um instrumento da justiça divina. Liberto do fruto de seu trabalho, o senhor da mente é indiferente às aprovações e também às críticas, por isso, não julga como justas ou injustas as opiniões de outros Espíritos humanizados. Em outras palavras, o senhor da mente não precisa mais de consolo ou da aprovação de outros seres humanizados, pois se encontra liberto da multiplicidade das aparências. O que ele busca apenas é a purificação de seu coração, através da vivência amorosa de todas as vicissitudes da vida humanizada, tanto as agradáveis como as desagradáveis. Em suma, busca vivenciá-las com equanimidade, sem euforia nas positivas ou desespero nas negativas. 3 – a felicidade incondicional Os dois pilares descritos anteriormente só sustentam esse edifício animagógico se relacionados com o seu terceiro pilar: os ensinamentos do Buda. De forma resumida, sua Psicosofia nos leva a vivenciar a vida humanizada em um estado de plenitude, ou seja, de felici...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google