Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: É O FIM DO MUNDO OU O COMEÇO

Você está em: Página inicial / Espiritismo / Racismo em Kardec
Racismo em Kardec

Livro: Racismo em Kardec

Autor - Fonte: Paulo Neto

Ir para a página:

...Paulo Neto A Propaganda antiespírita e a verdade doutrinária. ÍNDICE Prefácio.6 Introdução.9 Uma abordagem conceitual.10 Origem e Definição.19 Contextualização histórica.26 Kardec: conhecendo o homem e sua obra.65 1 – O que podemos ver em suas obras.69 2 – Kardec e a questão das raças.118 3 - Os textos problemáticos.132 Teoria da beleza.132 O negro Pai César.139 A frenologia e a fisiognomonia.142 Frenologia espiritualista e Espírita - Perfectibilidade da raça do negro.145 O dedo em riste.154 Conclusão.187 Referências bibliográficas.204 Anexo I.207 Anexo II.215 Anexo III.221 “É destino dos grandes homens serem perseguidos” (PADRE HERVIER). “A verdade não se prova pelas perseguições, mas pelo raciocínio; as perseguições, em todos os tempos, foram a arma das más causas, e daqueles que tomam o triunfo da força bruta pelo da razão” (KARDEC). “A calúnia, sem contradita, é uma arma perigosa e pérfida, mas tem dois gumes e fere sempre aquele que dela se serve” (KARDEC). Agradecimento Não posso deixar de registrar o meu agradecimento aos dedicados amigos Hugo Alvarenga Novaes, João Frazão de Medeiros Lima e Ricardo Matos Damasceno, pelas valiosas sugestões ao nosso texto, que o melhoraram em muito no conteúdo e na gramática. A eles minha eterna gratidão. 5 Prefácio Honrado com redigir um prefácio de livro tão importante para o Espiritismo e para o movimento espírita, porquanto nel...
se rebate proficuamente a sicofantia de quem há, sem nenhuma razão, perseguido a doutrina organizada e codificada por Allan Kardec, eu não me posso furtar a não reconhecer a um texto prefacial a natureza de introdução. Oriundo da palavra latina praefatio, praefationis, a significar o que se diz ou se escreve no princípio, um prefácio tem o condão de referir-se, in casu, assim ao autor de um livro como à importância da obra no contexto em que ela exsurge. Não obstante, o prefaciador não deve pôr-se a indevidamente encetar ou finalizar o labor unicamente cabível a quem escreveu o livro. Duas justificativas motivam a minha compreensão – sim, técnica – sobre restringir o atuar do prefaciador: i. não se antecipar ao autor em especificidades necessárias ao sucesso da leitura, porque aí se diagnosticaria, no mínimo, ausência de consideração para com ele; ii. permitir ao leitor manter um contato mais saboroso com a obra, deixando-o por si próprio adentrar-se na urdidura do texto. Não há, todavia, sob pena de esvaziamento semântico do prefácio, não promover, pelo menos vestigialmente, o exame do conteúdo por descortinar na sucessão dos capítulos, razão por que, não raro, por descuido nesse mister, o texto do prefaciador acaba como pletora de referências internas ao próprio livro. Pela mesma causa, recusam-se algumas pessoas a ler o texto inicial, ao argumento de que, se já irão cuidar em ler o texto principal, não devem perder o seu precioso tempo em compulsar prefácio. Ademais, note-se não ser o prefácio um paper, um ensaio ou uma recensão crítica, tampouco um resumo ou um fichamento de obra. Também não se converta o prefácio em meio de bajulice piegas do autor, dispensando-se valiosa criticidade. Outrossim, que há de tão relevante no livro então prefaciado?! Tratar-se-ia, por acaso, de simples e repetitiva abordagem doutrinária, invariavelmente similar a tantas quantas espalhadas no mercado editorial?! Após reflexiva leitura da obra, a resposta afigurar-se-á ao leitor assaz negativa, haja vista a delicadeza do assunto posta em face dos pleitos de liberdade, de igualdade e de fraternidade entre os homens, ideais estes a historicamente refletirem direitos fundamentais de três distintas gerações, desde a Revolução Francesa até a consagração jurídica daqueles nas constituições de todo o mundo. O grave problema encontra-se em que alguns antiespíritas imputam ao polímata e intelectual francês Allan Kardec, mais conhecido graças à organização, coordenação e codificação da Doutrina Espírita, a condição de haver tido e alimentado ideias racistas no ensaio Frenologia Espiritualista e Espírita - Perfectibilidade da Raça Negra, da edição de abril de 1862, da Revista Espírita, assim como nos itens 29 usque 32 do cap. XI de A Gênese e no ensaio Teoria do Belo, constante das Obras Póstumas. Tudo, porém, não ultrapassa os lindes de má interpre...
er o seu precioso tempo em compulsar prefácio. Ademais, note-se não ser o prefácio um paper, um ensaio ou uma recensão crítica, tampouco um resumo ou um fichamento de obra. Também não se converta o prefácio em meio de bajulice piegas do autor, dispensando-se valiosa criticidade. Outrossim, que há de tão relevante no livro então prefaciado?! Tratar-se-ia, por acaso, de simples e repetitiva abordagem doutrinária, invariavelmente similar a tantas quantas espalhadas no mercado editorial?! Após reflexiva leitura da obra, a resposta afigurar-se-á ao leitor assaz negativa, haja vista a delicadeza do assunto posta em face dos pleitos de liberdade, de igualdade e de fraternidade entre os homens, ideais estes a historicamente refletirem direitos fundamentais de três distintas gerações, desde a Revolução Francesa até a consagração jurídica daqueles nas constituições de todo o mundo. O grave problema encontra-se em que alguns antiespíritas imputam ao polímata e intelectual francês Allan Kardec, mais conhecido graças à organização, coordenação e codificação da Doutrina Espírita, a condição de haver tido e alimentado ideias racistas no ensaio Frenologia Espiritualista e Espírita - Perfectibilidade da Raça Negra, da edição de abril de 1862, da Revista Espírita, assim como nos itens 29 usque 32 do cap. XI de A Gênese e no ensaio Teoria do Belo, constante das Obras Póstumas. Tudo, porém, não ultrapassa os lindes de má interpretação, não do Mestre de Lyon, mas dos antiespíritas e contrakardecianos que, não se havendo aprofundado na matéria e não sendo honestos com tudo quanto julgam ter compreendido, opinam de afogadilho e publicam verrinas em estilo macarrônico. Dentre eles, em sítios da internet, podem encontrar-se pseudocépticos de fancaria, católicos assanhados e saudosos de Torquemada, bem como alguns protestantes autoalçados à honra de teólogos. Nesse ínterim, não se pode acatar uma crítica, por menos severa que ela se apresente, quando não se contemplam duas premissas: i. prévio conhecimento da matéria na qual se tenta intelectivamente caminhar; ii. entendimento lógico de tudo quanto se ponha a termo, sem ingerência de interesses meramente faccionais. Decerto, os críticos antiespíritas têm o direito fundamental de exprimir-se livremente, amparados no inciso IV do art. 5º da Carta de 1988, vedado, porém, o anonimato. Desse modo, muitos deles não se anonimizam nem se escondem, mas, como popularmente se afirma, quem diz o que não deve ouve o que não quer. Por esta razão, empreendem-se todos os esforços para confutar a falsa tese de que o Codificador do Espiritismo expendera pensamentos e conclusões racistas, porque, em uma análise sistêmica e estritamente científico-filosófica, tal nunca se pôde verificar. Não se decola do pressuposto, sensivelmente falso, de que Allan Kardec tenha sido um 6 simples homem da sua época, o qual publicara...
tação, não do Mestre de Lyon, mas dos antiespíritas e contrakardecianos que, não se havendo aprofundado na matéria e não sendo honestos com tudo quanto julgam ter compreendido, opinam de afogadilho e publicam verrinas em estilo macarrônico. Dentre eles, em sítios da internet, podem encontrar-se pseudocépticos de fancaria, católicos assanhados e saudosos de Torquemada, bem como alguns protestantes autoalçados à honra de teólogos. Nesse ínterim, não se pode acatar uma crítica, por menos severa que ela se apresente, quando não se contemplam duas premissas: i. prévio conhecimento da matéria na qual se tenta intelectivamente caminhar; ii. entendimento lógico de tudo quanto se ponha a termo, sem ingerência de interesses meramente faccionais. Decerto, os críticos antiespíritas têm o direito fundamental de exprimir-se livremente, amparados no inciso IV do art. 5º da Carta de 1988, vedado, porém, o anonimato. Desse modo, muitos deles não se anonimizam nem se escondem, mas, como popularmente se afirma, quem diz o que não deve ouve o que não quer. Por esta razão, empreendem-se todos os esforços para confutar a falsa tese de que o Codificador do Espiritismo expendera pensamentos e conclusões racistas, porque, em uma análise sistêmica e estritamente científico-filosófica, tal nunca se pôde verificar. Não se decola do pressuposto, sensivelmente falso, de que Allan Kardec tenha sido um 6 simples homem da sua época, o qual publicara...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google