Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Espiritualidade / A Cruz de Cristo
A Cruz de Cristo

Livro: A Cruz de Cristo

Autor - Fonte: John Stott

Ir para a página:

...Primeira Parte Aproximando-se da Cruz 1 A Centralidade da Cruz 6 2 Por que Cristo morreu? 21 3 Olhando Abaixo da Superfície 28 Segunda Parte O Coração da Cruz 39 4 O Problema do Perdão 39 5 Satisfação pelo Pecado 51 6 A Auto-Substituição de Deus 62 Terceira Parte A Realização da Cruz 7 A Salvação dos Pecadores 77 8 A Revelação de Deus 95 9 A Conquista do Mal 106 Quarta Parte Vivendo sob a Cruz 10 A Comunidade de Celebração 119 11 Autocompreensão e Autodoação 128 12 Amando a Nossos Inimigos 139 13 Sofrimento e Glória 147 Conclusão A Penetrante Influência da Cruz Prefácio Tenho como um enorme privilégio o ter sido convidado para escrever um livro sobre o maior e mais glorioso de todos os temas, a cruz de Cristo. Dos vários anos de trabalho despendidos neste tarefa, emergi espiri¬tualmente enriquecido, com minhas convicções acla¬radas e fortalecidas, e com uma firme resolução de gastar o restante dos meus dias na terra (assim como sei que toda a congregação dos redimidos passará a eternidade no céu) no serviço liberador do Cristo crucificado. É oportuno que um livro sobre a cruz faça parte das celebrações do Jubileu de Ouro da Inter-Varsity Press, a quem o público leitor muito deve. Pois a cruz é o centro da fé evangélica. Deveras, como argu¬mento neste livro, ela jaz no centro da fé histórica, bíblica, e o fato de que esta verdade não é sempre reconhecida em toda a parte em si mesmo é jus...
ificativa suficiente para preservar um testemunho distintamente evangélico. Os cristãos evangélicos crêem que em Cristo e através do Cristo crucificado Deus substituiu a si mesmo por nós e levou os nossos pecados, morrendo em nosso lugar a morte que merecíamos morrer, a fim de que pudéssemos ser restaurados em seu favor e adotados na sua família. O Dr. J. I. Packer com acerto escreveu que esta crença "é o marco distintivo da fraternidade evangélica mundial" (embora 'muitas vezes seja mal compreendida e caricaturada por seus críticos'); ela "nos leva ao próprio coração do evangelho cristão".1 É necessário que se esclareça a distinção entre uma compreensão "objetiva" e "subjetiva" da expiação em cada geração. Segundo o Dr. Douglas Johnson, esta descoberta foi um momento decisivo no mi¬nistério do Dr. Martyn Lloyd-Jones, que ocupou uma posição singular de liderança evangélica nas décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial. Ele confidenciou a vários amigos que "uma mudança fundamental ocorreu em sua perspectiva e pregação no ano de 1929". Ele tinha, é claro, dado ênfase, desde o princípio do seu ministério à necessidade indispensável do novo nascimento. Mas, certa noite, de¬pois de pregar em Bridgend, South Wales, o ministro local desafiou-o dizendo que "parecia que a cruz e a obra de Cristo" ocupavam um pequeno lugar em sua pregação. Imediatamente ele foi a uma livraria que vende livros usados e pediu ao proprietário os dois livros padrão sobre a Expiação. O livreiro. . . apresentou a Expiação de R. W. Dale (1875) e A Morte de Cristo de James Denney (1903). Tendo voltado para casa, ele se entregou totalmente ao estudo, recusando o almoço e o chá, e causando tal ansiedade à esposa que esta telefonou a seu irmão perguntando se devia chamar um médico. Porém, ao emergir da reclusão, Lloyd-Jones dizia ter encontrado "o verdadeiro coração do evangelho e o segredo do significado interior da fé cristã". De sorte que o conteúdo de sua pregação mudou, e com esta mudança o seu impacto. Nas próprias palavras dele, a questão básica não era a pergunta de Anselmo "por que Deus se tornou homem?" mas "por que Cristo morreu?"2 Por causa da importância vital da expiação, e de uma compreensão dela que retire toda falsa informação dos grandes conceitos bíblicos de "substituição", "satisfação" e "propiciação", duas coisas têm-me grandemente surpreendido. A primeira é a tremenda impopularidade em que a doutrina permanece. Alguns teólogos demonstram relutân¬cia estranha em aceitá-la, mesmo quando compreendem claramente sua base bíblica. Penso, por exemplo, naquele notável erudito me¬todista, Vincent Taylor. Sua erudição aprimorada e abrangente en-contra-se exemplificada em seus três livros sobre a cruz — Jesus e Seu Sacrifício (1937), A Expiação no Ensino do Novo Testamento (1940) e Perdão e Reconciliação (1946). Ele, ao descrever a morte de Cristo, emprega mui...
s livros padrão sobre a Expiação. O livreiro. . . apresentou a Expiação de R. W. Dale (1875) e A Morte de Cristo de James Denney (1903). Tendo voltado para casa, ele se entregou totalmente ao estudo, recusando o almoço e o chá, e causando tal ansiedade à esposa que esta telefonou a seu irmão perguntando se devia chamar um médico. Porém, ao emergir da reclusão, Lloyd-Jones dizia ter encontrado "o verdadeiro coração do evangelho e o segredo do significado interior da fé cristã". De sorte que o conteúdo de sua pregação mudou, e com esta mudança o seu impacto. Nas próprias palavras dele, a questão básica não era a pergunta de Anselmo "por que Deus se tornou homem?" mas "por que Cristo morreu?"2 Por causa da importância vital da expiação, e de uma compreensão dela que retire toda falsa informação dos grandes conceitos bíblicos de "substituição", "satisfação" e "propiciação", duas coisas têm-me grandemente surpreendido. A primeira é a tremenda impopularidade em que a doutrina permanece. Alguns teólogos demonstram relutân¬cia estranha em aceitá-la, mesmo quando compreendem claramente sua base bíblica. Penso, por exemplo, naquele notável erudito me¬todista, Vincent Taylor. Sua erudição aprimorada e abrangente en-contra-se exemplificada em seus três livros sobre a cruz — Jesus e Seu Sacrifício (1937), A Expiação no Ensino do Novo Testamento (1940) e Perdão e Reconciliação (1946). Ele, ao descrever a morte de Cristo, emprega muitos adjetivos como "vicária", "redentora", "reconciliadora", "ex¬piatória", "sacrificial" e especialmente "representativa". Mas não con¬segue chamá-la de "substitutiva". Depois de um exame rigoroso do primitivo ensino e crença cristã de Paulo, de Hebreus e de João, escreve ele o seguinte acerca da obra de Cristo: "Nenhuma das pas¬sagens que examinamos descreve-a como a de um substituto. . . Em lugar algum encontramos apoio para tais conceitos."3 Não, a obra de Cristo foi um "ministério realizado em nosso favor, mas não em nosso lugar". Contudo, embora Vincent Taylor tenha feito estas espantosas afirmativas, fê-las com grande desconforto. Sua veemência nos deixa despreparados para as concessões que mais tarde ele se sente obrigado a fazer. "Talvez o aspecto mais admirável do ensino do Novo Tes¬tamento referente à obra representativa de Cristo", escreve ele, "seja o fato de chegar bem perto dos limites da doutrina substitutiva sem, na realidade, atravessá-los. O paulinismo, em particular, encontra-se a uma distância mínima da substituição". Ele até mesmo confessa a respeito de teólogos do Novo Testamento que "com demasiada fre¬qüência nos contentamos em negar a substituição sem substituí-la", e que é uma noção que "talvez estejamos mais ansiosos a rejeitar do que a examinar". Entretanto, o que procurarei mostrar neste livro é que a doutrina bíblica da expiação é substitutiva do princípio ao fim. O que Vincent Taylor não quis aceitar n...
tos adjetivos como "vicária", "redentora", "reconciliadora", "ex¬piatória", "sacrificial" e especialmente "representativa". Mas não con¬segue chamá-la de "substitutiva". Depois de um exame rigoroso do primitivo ensino e crença cristã de Paulo, de Hebreus e de João, escreve ele o seguinte acerca da obra de Cristo: "Nenhuma das pas¬sagens que examinamos descreve-a como a de um substituto. . . Em lugar algum encontramos apoio para tais conceitos."3 Não, a obra de Cristo foi um "ministério realizado em nosso favor, mas não em nosso lugar". Contudo, embora Vincent Taylor tenha feito estas espantosas afirmativas, fê-las com grande desconforto. Sua veemência nos deixa despreparados para as concessões que mais tarde ele se sente obrigado a fazer. "Talvez o aspecto mais admirável do ensino do Novo Tes¬tamento referente à obra representativa de Cristo", escreve ele, "seja o fato de chegar bem perto dos limites da doutrina substitutiva sem, na realidade, atravessá-los. O paulinismo, em particular, encontra-se a uma distância mínima da substituição". Ele até mesmo confessa a respeito de teólogos do Novo Testamento que "com demasiada fre¬qüência nos contentamos em negar a substituição sem substituí-la", e que é uma noção que "talvez estejamos mais ansiosos a rejeitar do que a examinar". Entretanto, o que procurarei mostrar neste livro é que a doutrina bíblica da expiação é substitutiva do princípio ao fim. O que Vincent Taylor não quis aceitar n...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google