Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Filosofia / Idolos do Coração e Feira das Vaidades Página 2
Idolos do Coração e Feira das Vaidades

Livro: Idolos do Coração e Feira das Vaidades Página 2

Autor - Fonte: David Powlison

Ir para a página:
...idolatria em pelo menos duas direções principais relativas á minha argumentação aqui. Primeiro, a Bíblia internaliza o problema. “Ídolos do coração” são literalmente descritos em Ezequiel 14:1-8. A adoração de ídolos tangíveis é, perigosamente, a expressão de uma deserção prévia de IHWH seu Deus3. “Ídolos do coração” é apenas uma de muitas metáforas. Coloca o locus4 da preocupação de Deus dentro do coração humano, estabelecendo um laço inseparável entre pontos específicos do coração e pontos específicos do comportamento: mãos, língua, e todos os membros. O primeiro Grande Mandamento, “amar a Deus de todo coração, alma, mente e força”, também demonstra a “interioridade” essencial da lei no que diz respeito à idolatria. A linguagem do amor, confiança, temor, esperança, buscar e servir (termos descritivos do relacionamento com o Deus verdadeiro) é continuamente usada na Bíblia para descrever nossos falsos amores, falsas confianças, falsos temores, falsas esperanças, falsas procuras e falsos mestres. Se “idolatria” é uma palavra característica do Velho Testamento que resume e refere-se ao nosso desvio de Deus, então “desejos” (gr. epithumiai) é característica e resumo do Novo Testamento para o mesmo desvio5. Ambas descrevem o problema dos seres humanos. A linguagem do Novo Testamento para “desejos” problemáticos é uma expansão dramática do décimo mandamento que proíbe a cobiça (g...
., epithumia). O décimo mandamento é também uma ordem que internaliza o problema do pecado, tornando-o “psicodinâmico”. Desnuda a natureza egoísta e reivindicativa do coração humano, poderosamente descrito por Paulo em Romanos 7. É interessante (mas não surpreendente) como o Novo Testamento junta o conceito de idolatria e o conceito de desejos inordenados que regem a vida. Idolatria torna-se um problema do coração, uma metáfora para a luxúria humana, para a demanda da nossa vontade, da ânsia e da ganância6. Um problema social Segundo, a Bíblia trata a idolatria como um fator central do conceito social, “o mundo”, que nos forma e modela. O mundo é uma “Feira das Vaidades”, como disse John Bunyan com impacto em “O Peregrino”7. Pelo livro todo, e em especial no capítulo “Feira das Vaidades”, é retratada a interação de formadores sociais do comportamento, poderosos, sedutores e temerosos, com as tendências autodeterminantes do próprio coração do Cristão. Será que Cristão servirã ao Deus Vivo ou servirá a 3 “Coração” é o termo bíblico mais compreensivo para aquilo que determina nossa direção de vida, comportamento, pensamentos, etc. Veja Provérbios 4:23, Marcos 7:21-23, Hebreus 4:12ss etc. A metáfora de “circuncisão ou incircuncisão de coração” é semelhante a “ídolos do coração”, em que uma atividade religiosa externa é empregada para retratar a dinâmica motivacional interna que o ato exterior reflete. 4 Locus é um termo latino usado para definir lugar. Na ciência designa curva, superfície ou figura que contenha todos os pontos, e apenas esses pontos, atendendo a dada condição (NT). 5 Veja as declarações resumidas de Paulo, João e Tiago em Gálatas 6:16ss, Efésios 2:3 e 4:22, 1Pedro 2:11 e 4:2, 1João 2:16, Tiago 1:14ss, onde eptthumiai é a palavra inclusiva para se referir a tudo quanto há de errado conosco. 6 Efésios 5:5 e Colossensses 3:5 7 Bunyan, John, The Pilgrim’s Progress (Grand Rapids: Zondervan, 1957), pags 84-93 [ 4 ] qualquer fluida multidão de ídolos esculpidos pela esposa, vizinhos, conhecidos, inimigos, companheiros membros da sociedade humana.e, finalmente, por seu próprio coração8. Que as idolatrias são geradas tanto no ser interior quanto também se insinuam do mundo exterior, tem implicações sobre as questões do aconselhamento contemporâneo. É claro que a Bíblia não trata dos assuntos contemporâneos com o nosso mesmo jargão psicológico nem se utiliza de nossos dados observacionais9. Ainda, por exemplo, a Bíblia não cita com ricos detalhes aquilo que os psicólogos de hoje descreveriam como “família ou sistema conjugal disfuncional”, simplesmente porque não coloca estas peças do comportamento humano e influência mútua sob o microscópio. A “falha” existe apenas na aplicação específica. Na verdade, as categorias bíblicas abarcam as maneiras como num sistema familiar – ou qu...
xterior reflete. 4 Locus é um termo latino usado para definir lugar. Na ciência designa curva, superfície ou figura que contenha todos os pontos, e apenas esses pontos, atendendo a dada condição (NT). 5 Veja as declarações resumidas de Paulo, João e Tiago em Gálatas 6:16ss, Efésios 2:3 e 4:22, 1Pedro 2:11 e 4:2, 1João 2:16, Tiago 1:14ss, onde eptthumiai é a palavra inclusiva para se referir a tudo quanto há de errado conosco. 6 Efésios 5:5 e Colossensses 3:5 7 Bunyan, John, The Pilgrim’s Progress (Grand Rapids: Zondervan, 1957), pags 84-93 [ 4 ] qualquer fluida multidão de ídolos esculpidos pela esposa, vizinhos, conhecidos, inimigos, companheiros membros da sociedade humana.e, finalmente, por seu próprio coração8. Que as idolatrias são geradas tanto no ser interior quanto também se insinuam do mundo exterior, tem implicações sobre as questões do aconselhamento contemporâneo. É claro que a Bíblia não trata dos assuntos contemporâneos com o nosso mesmo jargão psicológico nem se utiliza de nossos dados observacionais9. Ainda, por exemplo, a Bíblia não cita com ricos detalhes aquilo que os psicólogos de hoje descreveriam como “família ou sistema conjugal disfuncional”, simplesmente porque não coloca estas peças do comportamento humano e influência mútua sob o microscópio. A “falha” existe apenas na aplicação específica. Na verdade, as categorias bíblicas abarcam as maneiras como num sistema familiar – ou qualquer outro tipo de sistema social de qualquer espécie ou tamanho – operam e influenciam umas às outras para o bem e para o mal. Por exemplo, os padrões de vida geralmente rotulados de “codependência” são mais precisa e penetrantemente entendidos como episódios de “co-idolatria”. No caso de um “relacionamento co-idólatra”, dois padrões de idolatrias típicos reforçam e competem um com o outro. Eles encaixam-se um ao outro de modo estranho, criando grandes e destrutivos feedback loops10. O clássico marido alcoólatra e sua esposa salvadora são ambos escravizados dentro de um sistema de idolatria cujos componentes completam um ao outro com perfeição. Há muitas configurações possíveis neste padrão comum de falsos deuses. Numa configuração típica, a constelação do ídolo no uso de álcool do marido pode combinar um amor dominador e escravizador pelo prazer, a busca escapista de um falso salvador para as dores e frustrações de sua vida, o papel de juiz irado e cheio de justiça própria, julgando a maneira aderente e dependente da esposa, a autocrucificação do seu remorso periódico, a confiança humana que visa validação pessoal através da aceitação dos seus companheiros, e assim por diante. O padrão idólatra no comportamento da esposa salvadora precisa combinar o papel de mártir salvadora do marido e família, o papel de orgulhosa juíza do pecado do marido, a confiança humana que valoriza demais a opinião das am...
alquer outro tipo de sistema social de qualquer espécie ou tamanho – operam e influenciam umas às outras para o bem e para o mal. Por exemplo, os padrões de vida geralmente rotulados de “codependência” são mais precisa e penetrantemente entendidos como episódios de “co-idolatria”. No caso de um “relacionamento co-idólatra”, dois padrões de idolatrias típicos reforçam e competem um com o outro. Eles encaixam-se um ao outro de modo estranho, criando grandes e destrutivos feedback loops10. O clássico marido alcoólatra e sua esposa salvadora são ambos escravizados dentro de um sistema de idolatria cujos componentes completam um ao outro com perfeição. Há muitas configurações possíveis neste padrão comum de falsos deuses. Numa configuração típica, a constelação do ídolo no uso de álcool do marido pode combinar um amor dominador e escravizador pelo prazer, a busca escapista de um falso salvador para as dores e frustrações de sua vida, o papel de juiz irado e cheio de justiça própria, julgando a maneira aderente e dependente da esposa, a autocrucificação do seu remorso periódico, a confiança humana que visa validação pessoal através da aceitação dos seus companheiros, e assim por diante. O padrão idólatra no comportamento da esposa salvadora precisa combinar o papel de mártir salvadora do marido e família, o papel de orgulhosa juíza do pecado do marido, a confiança humana que valoriza demais a opinião das am...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google