Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Espiritismo / Transição Planetária
Transição Planetária

Livro: Transição Planetária

Autor - Fonte: Divaldo Pereira Franco

Ir para a página:

...Divaldo Pereira Franco Manoel Philomeno de Miranda Espírito SUMARIO Cap. Pag. 1 17 Novos rumos 2 25 O visitante especial 3 31 A mensagem-revelação 4 41 Roteiros terrestres 5 49 Novas experiências 6 59 O serviço de iluminação 7 67 O amor como força divina 8 75 Socorros inesperados 9 83 Desafios existenciais 10 91 Lições de alta magnitude 11 99 Aprendizagem constante 12 109 A vida responde conforme programada 13 119 Conquistando o tempo malbaratado 14 135 Diretrizes para o future 15 145 Experiências iluminativas 16 157 Programações reencarnacionistas 17 173 Ampliando o campo de trabalho 18 185 Reflexões e diálogos profundos 19 199 Preparação para o armagedom espiritual 20 209 O enfrentamento com a Treva 21 223 As batalhas difíceis 22 235 Preparativos para a conclusão do labor 246 Biografia do Espírito Ivon Costa Para que na Terra sejam felizes os homens, preciso e que somente a povoem Espíritos bons, encarnados e desen-carnados, que somente ao bem se dediquem. Havendo che-gado o tempo, grande emigração se verifica dos que a habi-tam: a dos que praticam o mal pelo mal, ainda não tocados pelo sentimento do bem, os quais, já não sendo dignos do planeta transformado, serão excluídos, porque, senão, lhe ocasionariam de novo perturbação e confusão e constituiri-am obstáculo ao progresso,. .Substituí-los-ão Espíritos me-lhores, que farão reinem em seu seio a justiça, a paz e a fra-ternidade.\" \".A época atual e d...
transição; confundem-se os ele-mentos das duas gerações. Colocados no ponto intermédio, assistimos a partida de uma e a chegada da outra, já se assi-nalando cada uma, no mundo, pelos caracteres que lhes são peculiares.” (A GENESE, de Allan Kardec. A geração nova, Cap. XVIII - Itens 27 e 28. 13. edição da FEB.) 8 TRANSIÇÃO PLANETÁRIA \"Vive-se, na Terra, o momento da grande transição de mundo de pro-vas e de expiações, para mundo de regeneração. As alterações que se observam são de natureza moral, convidando o ser humano à mudança de comportamento para melhor, alterando os hábitos viciosos, a fim de que se instalem os paradigmas da justiça, do dever, da ordem e do amor. Anunciada essa transformação que se encontra ínsita no processo da evolução, desde o Sermão profético anotado pelo evangelista Marcos, no capítulo XIII do seu livro, quando o Divino Mestre apresentou os sinais dos futuros tempos após as ocorrências dolorosas que assinalariam os diferen-tes períodos da evolução. Sendo o ser humano um Espírito em processo de crescimento intelecto-moral, atravessa diferentes níveis nos quais estagia, a fim de desenvolver o instinto, logo depois a inteligência, a consciência, rumando para a intuição que será alcançada mediante a superação das experiências primevas, que o assinalam profundamente, atando-o, não raro, à sua natureza animal em detrimento daquela espiritual que é a sua realidade. Mediante as reencarnações, etapa a etapa, dá-se-lhe o processo de eli-minação das imperfeições morais, que se transformam em valores relevan-tes, impulsionando-o na direção da plenitude que lhe está destinada. Errando e corrigindo-se, realizando tentativas de progresso e caindo, para logo levantar-se, esse é o método de desenvolvimento que a todos pro-pele na direção da sua felicidade plena. Herdeiro dos conflitos em que estorcegava nas fases iniciais, deve en-frentar os condicionamentos enfermiços, trabalhando pela aquisição de novas experiências que lhe constituam diretrizes de segurança para o avan-ço. Em face das situações críticas pelo carreiro carnal, gerando complica-ções afetivas, porque distante das emoções sublimes do amor, agindo mais pelos instintos, especialmente aqueles que dizem respeito à preservação da vida, à sua reprodução, á violência para a defesa sistemática da existência corporal, agride, quando deveria dialogar, acusa, no momento em que lhe seria lícito silenciar a ofensa ou a agressão, dando lugar aos embates infe- 9 lizes geradores do ressentimento, do ódio, do desejo de desforço, esses fi-lhos inconseqüentes do ego dominador. O impositivo do progresso, porém, é inarredável, apresentando-se como necessidade de libertação das amarras vigorosas que o retêm na retaguar-da, ante o deotropismo que o fascina e termina por arrebatá-lo. Colocado, pela força do determinismo, na conjuntura do livre-arbítrio, nem sempre lógico,...
s, etapa a etapa, dá-se-lhe o processo de eli-minação das imperfeições morais, que se transformam em valores relevan-tes, impulsionando-o na direção da plenitude que lhe está destinada. Errando e corrigindo-se, realizando tentativas de progresso e caindo, para logo levantar-se, esse é o método de desenvolvimento que a todos pro-pele na direção da sua felicidade plena. Herdeiro dos conflitos em que estorcegava nas fases iniciais, deve en-frentar os condicionamentos enfermiços, trabalhando pela aquisição de novas experiências que lhe constituam diretrizes de segurança para o avan-ço. Em face das situações críticas pelo carreiro carnal, gerando complica-ções afetivas, porque distante das emoções sublimes do amor, agindo mais pelos instintos, especialmente aqueles que dizem respeito à preservação da vida, à sua reprodução, á violência para a defesa sistemática da existência corporal, agride, quando deveria dialogar, acusa, no momento em que lhe seria lícito silenciar a ofensa ou a agressão, dando lugar aos embates infe- 9 lizes geradores do ressentimento, do ódio, do desejo de desforço, esses fi-lhos inconseqüentes do ego dominador. O impositivo do progresso, porém, é inarredável, apresentando-se como necessidade de libertação das amarras vigorosas que o retêm na retaguar-da, ante o deotropismo que o fascina e termina por arrebatá-lo. Colocado, pela força do determinismo, na conjuntura do livre-arbítrio, nem sempre lógico, somente ao impacto do sofrimento desperta para com-preender quão indispensável lhe é a aquisição da paz, a conquista do bem-estar. Nesse comenos, dá-se conta dos males praticados, dos prejuízos causados a outros, nascendo-lhe o anelo de recuperar-se, auxiliando aque-les que foram prejudicados pela sua inépcia ou primitivismo em relação aos deveres que fazem parte dos soberanos códigos de ética da vida. Atrasando-se ou avançando pelas sendas libertadoras, desenvolve os te-souros adormecidos na mente e no sentimento, que aprende a colocar a serviço do progresso, avançando consciente das próprias responsabilida-des. Infelizmente, esse despertar da consciência tem-se feito muito lentamen-te, dando lugar aos desmandos que se repetem a todo momento, às lutas sangrentas terríveis. Predominam, desse modo, as condutas arbitrárias e perversas, na soci-edade hodierna, em contraste chocante com as aquisições tecnológicas e científicas logradas na sucessão dos tempos. Observam-se amiúde os pródromos dos sentimentos bons, quando al-guém é vítima de uma circunstância aziaga, movimentando grupos de so-corro, ao tempo que outras criaturas se transformam em seres-bomba, as-sassinando, fanática e covardemente outros que nada têm a ver com as tra-gédias que pretendem remediar por meios mais funestos e inadequados do que aquelas que pretendem combater. Movimentos de proteção aos animais sensibilizam muitos segmentos da sociedade, no entanto, incontáveis...
somente ao impacto do sofrimento desperta para com-preender quão indispensável lhe é a aquisição da paz, a conquista do bem-estar. Nesse comenos, dá-se conta dos males praticados, dos prejuízos causados a outros, nascendo-lhe o anelo de recuperar-se, auxiliando aque-les que foram prejudicados pela sua inépcia ou primitivismo em relação aos deveres que fazem parte dos soberanos códigos de ética da vida. Atrasando-se ou avançando pelas sendas libertadoras, desenvolve os te-souros adormecidos na mente e no sentimento, que aprende a colocar a serviço do progresso, avançando consciente das próprias responsabilida-des. Infelizmente, esse despertar da consciência tem-se feito muito lentamen-te, dando lugar aos desmandos que se repetem a todo momento, às lutas sangrentas terríveis. Predominam, desse modo, as condutas arbitrárias e perversas, na soci-edade hodierna, em contraste chocante com as aquisições tecnológicas e científicas logradas na sucessão dos tempos. Observam-se amiúde os pródromos dos sentimentos bons, quando al-guém é vítima de uma circunstância aziaga, movimentando grupos de so-corro, ao tempo que outras criaturas se transformam em seres-bomba, as-sassinando, fanática e covardemente outros que nada têm a ver com as tra-gédias que pretendem remediar por meios mais funestos e inadequados do que aquelas que pretendem combater. Movimentos de proteção aos animais sensibilizam muitos segmentos da sociedade, no entanto, incontáveis...

Ir para a página:

WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Busca Google