Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Matérias: / Mestre Osho / Vida Amor e Riso
Amor Riso

Matéria: Vida Amor e Riso

Autor - Fonte: Osho

Eu estava lendo uma pequena anedota:
Era uma vez dois vermezinhos. O primeiro era preguiçoso e imprevidente e sempre ficava até tarde na cama. O outro levantava-se sempre cedo, para cuidar de seus negócios. O pássaro matinal comeu o verme matinal. Logo apareceu um pescador com uma lanterna e capturou o réptil notívago.
Moral: você não pode vencer.

A morte é certa. O que quer que você faça – levante-se cedo ou não – a morte é certa. Ela já aconteceu; é por isso que ela é certa. Ela já está acontecendo; é por isso é certa. Assim, porque esperar pelo momento em que você estiver morrendo em sua cama? Por que não torná-la uma certeza agora? Simplesmente observe. Quando eu digo que a morte é certa, você não sente o medo desaparecendo dentro de você? Você não pode sentir que com a própria idéia – e é apenas uma idéia agora, não sua experiência -, apenas com uma idéia de que a morte é certa, você fica calmo e tranqüilo? Se você puder vivenciá-la.... E você pode, porque é um fato. Eu não estou falando de teorias; eu não lido com teorias. Isso é um fato simples. Simplesmente abra seus olhos e observe-o. E não tente evitá-lo; não há nenhum meio de evitá-lo. Evitando, você perde. Aceite-o. Acolha-o. E viva com a consciência de que a cada momento você morre e a cada momento você nasce. Deixe isso acontecer. Não se apegue ao passado – ele não existe mais, ele já se foi. Por que continuar carregando coisas mortas? Por q e ficar tão sobrecarregado com cadáveres? Abandone-os. E você se sentirá leve; você se sentirá descarregado.

E, uma vez que você abandone o passado, o futuro cai por si só, porque o futuro não é nada mais do que uma projeção do passado. Você teve alguns prazeres no passado; agora, a mente projeta esses mesmos prazeres no futuro. Você teve alguns sofrimentos no passado; agora, a mente projeta um futuro no qual não seja permitido que esses sofrimentos aconteçam. É isso que é o seu futuro. O que mais é o seu futuro? Prazeres que você desfrutou no passado são projetados e as misérias são eliminadas. Seu futuro é um passado mais colorido e modificado, repintado, renovado, mas é o passado. Uma vez que o passado caia, de repente, o futuro cai. E , então, você é deixado aqui e agora. Então, você está na existência, você é existencial – e essa é a única maneira possível de ser. Todas as outras são apenas para evitar a vida. Quanto mais você evita a vida, mais você fica com medo da morte.

Uma pessoa que está realmente vivendo, de modo algum tem medo da morte. Se você estiver vivendo corretamente, estará acabada a sua questão com a morte; você já estará muito agradecido, preenchido. Mas se você não viveu, então a preocupação constante continua: “Eu não vivi ainda e a morte está chegando. E a morte vai por fim a tudo; com a morte não haverá nenhum futuro”. Dessa forma, a pessoa se torna apreensiva, temerosa, e tenta evitar a morte.
Tentando evitar a morte, vai-se perdendo a vida. Esqueça essa evitação. Viva a vida. Vivendo a vida, a morte é evitada. Vivendo a vida, você se torna tão preenchido, que se, neste exato momento, a morte vier e o futuro parar, você estará pronto. Você restará alegremente pronto. Você viveu sua vida; você se deleitou na existência; você a celebrou; você está satisfeito. Não há nenhuma reclamação, nenhum resmungo; você não tem nenhum ressentimento. Você dá as boas-vindas à morte. E a não ser que você possa dar boas-vindas à morte, uma coisa é certa: você não viveu.

Eu ouvi uma anedota:
Dois nobres húngaros tinham entrado numa disputa mortal. Mas como nenhum dos dois estivesse ansioso para arriscar a vida num confronto com uma espada ou uma pistola, decidiu-se por um duelo sem sangue. Cada um deveria falar um número e aquele que tivesse falado o número maior seria adjurado vencedor.
Contava-se os segundos e o excitamento e o suspense iam chegando ao extremo à medida que os dois nobres, sentados nas cabeceiras opostas de uma longa mesa, curvavam-se à tarefa de pensar no maior número. A parte desafiada, que tinha o privilégio de começar, pensou severamente e por longo tempo. As veias de suas têmporas se dilataram e o suor caia de sua testa.
“Três!” – ele disse, finalmente. O outro duelista disse imediatamente: “Bem, isso me derruba”.

Quando você está com medo da morte, até mesmo o número três é o máximo. Quando você tem medo da morte, você vai encontrando desculpas para continuar vivendo. Se sua vida tem algum sentido ou não, não importa; vai-se encontrando desculpas para prolongá-la.
No ocidente, atualmente, há uma obsessão em como se prolongar a vida. Isso simplesmente mostra que de algum modo a vida está sendo perdida. Sempre que um país ou uma cultura começa a pensar em como prolongar a vida, isso mostra uma coisa: que a vida não está sendo vivida. Se você vive a vida, entã...

Ir para a página:


WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Política de Privacidade
Política de Cookie
Busca Google