Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Matérias: / De Autoajuda / A dor que dói nos dois mundos...
A dor que dói nos dois mundos...

Matéria: A dor que dói nos dois mundos...

Autor - Fonte: Christina Nunes

Esses dias me lembrei da cena do filme As Mães de Chico Xavier, no qual é proferida uma de suas máximas: A saudade é dor que dói nos dois mundos! Entrei em estado de desprendimento espiritual, recordando-me com melancolia da tragédia acontecida há pouco com meninos e meninas na flor da idade, no Rio de Janeiro. E, aos poucos, me senti transportada para cenário de enlevo, em local praiano - mas, certamente, não deste mundo!

Lá, me reconheci mais jovem, como é praxe em nossas visitas rápidas ou quando de nossos retornos para as paisagens da Vida definitiva. Vestia traje branco; um vestido, e usava flores em tiara nos cabelos. Caminhando por ali, com os meus pés entre as águas frescas das ondas do mar que se agitava em perfumes e rumores reconfortantes, trazia ainda no estado de espírito a mesma melancolia que me dominava ao entrar naquele transe, aqui, no âmbito material, enquanto ouvia, distraída, a música em estilo celta executada por um grupo agradável de instrumentistas acomodados nas areias ali por perto, como num acolhedor acompamento de veraneio.

Parecia-me uma tarde ensolarada, repousante. O único rumor audível era o dos ventos misturados ao ir e vir das ondas espraiando-se nas areias macias; quando, de repente, alguém se aproximou, tomando-me gentilmente pela mão.

- Faz muito tempo que você não dança um pouco. Venha comigo... - pronunciou a voz grave e agradável, fazendo com que me voltasse e reconhecesse logo, com enlevada surpresa, a presença do meu mentor desencarnado, Caio Quinto, o autor de nossos livros, com quem já há um longo tempo não deparava assim, de maneira tão direta.

Puxou-me amavelmente para perto do grupo, enquanto ainda me demorava a me perturbar com o que acontecia, buscando, como sempre, - e como é usual acontecer enquanto reencarnados - explicações plausíveis para o fato, porque guardava clara a recordação de me achar ao mesmo tempo em dois lugares: ali, e no sofá de minha casa, em estado de repouso, durante uma tarde silenciosa de fim de semana, na minha residência no Rio de Janeiro.

Para a minha ainda maior admiração, em iniciativa até então inédita, desde que passei a conviver via mediunidade com este meu tutor amorável durante a presente trajetória material, trouxe-me gentilmente para si, e se pôs a dançar comigo aquela melodia maravilhosa, entoada em instrumentos cuja definição se me torna difícil de traduzir em palavras.

- Você precisa dançar ou cantar, de vez em quando... - sorria-me, jovial - Ajuda a dissipar estes estados de melancolia...

Mas eu me mantinha na mesma disposição, agora de mistura com a franca emoção experimentada pelo lugar paradisíaco onde fora ter de inopino, e pelo que me acontecia, na presença deste que durante todo o tempo tem se manifestado como meu fiel protetor e mentor pessoal e familiar, durante os desafios da jornada terrestre.

- É difícil para a mente assimilar acontecimentos deste teor! - confessei a ele, em linguagem aparentemente mental, os olhos ainda úmidos, desviando-os ao acaso para o mar caldaloso, rebentando próximo a nós - Nosso psiquismo não encontra razões que justifiquem o fato de forma satisfatória. Tudo parece fruto de um grande caos, lançando a todos em dolorida sensação de desamparo frente a estas manifestações desnorteadoras da incúria humana!...

Mas, olhando-me de dentro de sua grande serenidade e ternura habitual, ele me sorria de leve, levando-me de mansinho naquela dança gentil nas areias úmidas.

Ouvia-me com atenção e desvelo; mas parecia considerar a situação de um outro prisma. Assim, começou, a entonação de sua voz grave e cariciosa, tão familiar ao meu espírito, alcançando-me diretamente no âmbito da mente e do coração, marcante, inesquecível;

- Olha o vai-vém das ondas que lavam incessantemente as areias, e imagine que cada um desses minúsculos grãos tem vida própria, qual a nossa, e apreciam o contato mútuo e a convivência entre si... A cada ida e vinda, as águas impetuosas carregam incontáveis deles para destinos desconhecidos. Para compor outros cenários e acontecimentos na ordem da Vida, em transformação constante! E entenderá que isso não difere muito do que acontece com os movimentos de natureza variada que, em ritmo incessante, também nos deslocam, a todos nós, para destinos diversos!...

Eu dirigi a ele o meu olhar curioso ante a idéia inspirada, talvez mais alentado, e tomado por renovado brilho. Ele, notando isso, prosseguiu:

- Como estes grãos de areia que aqui permanecem, e se pudessem eles se dar conta da ausência dos que se foram, também lamentariam a sua partida, querida, ignorando o paradeiro de todos na imensa orquestração do Oceano! É como acontece conosco, tanto lá, onde você por enquanto estagia, na despedida da morte corporal, quanto por aqui, quando nossos amores e afetos partem temporariamente para as vivências inéditas no aprendizado às vez...

Ir para a página:


WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Política de Privacidade
Política de Cookie
Busca Google