Whats: (11) 9 9191 6085
Você está em: Página inicial / Matérias: / De Autoajuda / Meu amigo é um bipolar
Meu amigo é um bipolar

Matéria: Meu amigo é um bipolar

Autor - Fonte: Flávio Bastos

Uma leitora do STUM me escreve relatando o seu drama pessoal: A vida inteira senti um desespero interno o qual nunca achei o porquê. Acho que estou em momento decisivo para a minha cura ou loucura. Fui dagnosticada como depressiva crônica por muito tempo e, ultimamente, como bipolar 5, mas tenho uma mediunidade ostensiva que está completamente bagunçada. É um desequilíbrio. Mas a minha pergunta é: Se o meu problema é emocional, físico ou espiritual? Se eu achasse a resposta talvez fosse o início de minha cura e o meu sonho de equilíbrio talvez começasse a se realizar. Podes me ajudar?

Minha querida amiga, todos nós temos uma característica de personalidade, um talento especial ou uma "marca registrada" que carregamos conosco desde tempos remotos. Nesse sentido, a atração pelo diferente e o enigmático relacionado à natureza humana, tem sido a minha companheira de muitas jornadas neste planeta onde a heterogeneidade comportamental faz a diferença...

Tanto que os amigos que tenho de longa data são pessoas de perfil anticonvencional, portanto diferenciadas do conceito clássico de "normalidade". Um deles, inclusive, tem o Q.I. bem acima da média, talvez à beira da genialidade. Outro, que já foi personagem de artigo anterior, intitulado "Dependendo do olhar tudo é amor", continua bipolar e meu amigo.

Há cerca de vinte anos, antes de saber que era portador de bipolaridade, quando teve a primeira crise que o obrigou à internação clínica, essa essoa era amigo de muitos amigos, pois era um cara descolado, que pela influência da euforia e pelo grau de comunicabilidade, simpatia e generosidade com as pessoas em geral, fazia fácil amizade por onde passava.

No entanto, bastou a primeira crise, a internação... e a depressão severa, para que muitos "amigos e amigas" se retirassem de sua vida, restando poucos amigos que com o passar do tempo acabaram também se afastando. E o amigo de longa data começou a experenciar o estigma social que a "doença" provoca, para mais tarde, após passar por psicoterapia, poder administrar melhor a sua situação sócio-familiar relacionada à experiência bipolar.

Atualmente, nas eventuais conversas que tenho com ele, procuro incentivá-lo para que aproveite com mais qualidade perceptiva possível, as experiências na alternância de humor, cuja medicação em dia não impede completamente a mudança de fase.

Lembro-me da época em que começou a manifestar-se os primeiros sintomas da euforia. O amigo, ainda jovem, na faixa dos trinta anos, além de trabalhar normalmente com informática, praticava boxe em academia, ciclismo e ainda encontrava tempo e fôlego para correr pelas ruas da cidade.

Residíamos há cerca de 16 km um do outro e, às vezes, aos domingos pela manhã, ele aparecia na frente da minha residência e gritava alto o meu nome. Ainda sonolento, olhava pela janela do quarto de dormir e lá estava aquela figura cheia de energia que acabara de percorrer quase 20 km correndo e ainda tinha fôlego para executar movimentos do boxe às 7 horas da manhã de um domingo...

Não raramente, ele aparecia à noite depois de percorrer o trajeto de bicicleta ou correndo. Acolhíamos o amigo, cnversávamos e após a janta ele retornava à sua família de esposa e duas filhas ainda crianças. E num desses retornos ele sofreu um acidente, o que causou-lhe uma fratura na perna e a primeira crise emocional que o levou à internação clínica.

Desde então, a sua vida tem que ser controlada com remédios que estabilizam a acentuada alternância de humor. O tempo foi passando e o amigo trabalhador, e atleta cheio de energia vital, teve que adaptar-se a uma nova realidade que envolveu sua família e as suas relações sociais e profissionais.

Contudo, às vezes, a euforia não se aguenta e dá uma escapada do rígido controle químico dos medicamentos, e o amigo volta por alguns dias a ser aquela pessoa alegre, simpática, espirituosa, generosa e cheia de vida...

Há mais ou menos trinta dias, ele experenciou a fase eufórica mais intensa depois que começou a tratar-se quimicamente... e o telefone aqui de casa não parou de chamar, pois a tendência do bipolar de viver intensamente cada momento de euforia, compensa a fase de recolhimento e desmotivação da depressão...

O amigo quando está na fase eufórica, lembra o personagem que celebrizou o ator Jack Nickolson no premiado filme "Um estranho no ninho": fica irreverente, diz coisas muito engraçadas, torna-se espirituoso e extremamente sensível e humano, e a sua mente alcança alta frequência no sentido do "papo-cabeça" e no aprofundamento filosófico.

No entanto, ele sabe que de minha parte eu imponho limites na nossa relação de amizade, como por exemplo, se ele liga demais aqui prá casa... e eu ou a esposa não atendemos ou desligamos o aparelho, é sinal de que ele está se tornando insistente, chato. Outro exemplo: se ele insiste no convite para...

Ir para a página:


WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Política de Privacidade
Política de Cookie
Busca Google