Whats: (11) 9 9191 6085

VÍDEO: POR QUE NOS PARECE QUE NADA DA CERTO

Você está em: Página inicial / Matérias: / De Autoajuda / Em primeiro lugar - perdoar-se
Em primeiro lugar - perdoar-se

Matéria: Em primeiro lugar - perdoar-se

Autor - Fonte: Flávio Bastos

Ao emitirem a vossa luz para curar o planeta, estão a curar-se a si mesmos. Já foi dito que os humanos e a Terra são uma única identidade... isso é meritório. No entanto, a vossa cura não ficará completa enquanto não se dedicarem ao autoperdão. É a partir do autoperdão que podereis avançar para o perdão dos outros.
Vitorino de Souza, por canalização

"Sombra" é um conceito Junguiano para designar a soma dos lados rejeitados da realidade que o indivíduo não quer admitir ou ver em si mesmo, permanecendo, portanto, esquecidos nas profundezas da intimidade. Por medo de sermos o que somos, nossas relações ficam limitadas a um nível superficial, ou seja, nos resguardamos e fechamo-nos íntimamente para sentirmo-nos emocionalmente seguros.

Wendell Berry, poeta e escritor norte-americano, registrou em um de seus livros, que para lidarmos com as diferenças entre nós e outras pessoas temos, necessariamente, que aprender compaixão, autocontrole, piedade, simpatia, amor e perdão. Virtudes sem as quais o homem não sobrevive...

O amor ainda é uma energia incomensurável para os padrões da ciência humana. Quando os cientistas russos, descobridores da energia Kirlian, mediram através de aparelhos a aura do médium Chico Xavier, ficaram impressionados com a sua expansão, experiência até então nunca registrada por eles.

Sentimentos de culpa, rejeição e ódio, entre outros, são energias nocivas que o indivíduo vem acumulando e sucessivament alimentando ao longo dos séculos. Vida após vida, sentimentos "represados" têm transformado muitos indivíduos em verdadeiras "armaduras inconscientes" que, além de mantê-los em permanente atitude de defesa e ataque contra ameaças internas e externas, também os mantêm prisioneiros de si mesmos. E esses sentimentos arraigados à sua estrutura psíquico-espiritual são responsáveis pelo surgimento - via somatizações e processos obsessivo-espirituais - de muitas doenças de origem emocional que instalam-se no organismo humano.

Por esse motivo, em relação à energia restauradora do perdão, torna-se imprescindível ao ser imortal perdoar-se a si próprio, para depois, mais livre do peso de sua histórica armadura, perdoar através da energia do chacra cardíaco, aqueles que no passado recente e remoto foram a origem de suas experiências de ira, dor e sofrimento.

Segundo o espírito Hammed, psicografia de Francisco Neto, "o autoperdão nos traz paz de espírito, habilidade para amar e ser amados e possibilidade para dar e receber serenidade". E conclui: "Ele nos livra do cultivo de uma fixação neurótica em fatos do passado, o qual nos impede o crescimento no presente."

A energia restauradora do autoperdão elimina a idéia fixa do remorso por algo que aconteceu ontem e a ansiedade do que poderá ser revelado ou vir a acontecer amanhã, enquanto o fato de perdoarmos alguém, ou ser por esse alguém perdoado, elimina os sentimentos de culpa ou de rejeição gerados na relação que tivemos com essa pessoa no passado. A atitude consciente do perdão, tanto a si mesmo como em relação ao outro, é um compromisso com o amor Maior que gera energia positiva no sentido de libertar os dois polos que se retroalimentam de energias negativas do pretérito.

Somos um somatório de múltiplas vivências do espírito em que as nossas fragilidades e limitações tendem a ficar represadas naquilo que "construímos" como proteção e camuflagem da verdade interior: a armadura. E o nosso desafio, portanto, é nos libertarmos desse "estado de coisas" através da energia do amor incondicional gerada, primeiramente, pelo autoperdão, para depois, conscientemente, perdoarmos o outro.

Quando procedemos dessa forma consciente e amorosa, sentimos a leveza proporcionada pela ruptura de um passado que repercutia negativamente em nossa estrutura psíquico-espiritual, trazendo-nos desconfortos que limitavam o nosso desenvolvimento vital. Nesse sentido, tanto a terapia moral do autoperdão como a terapia moral do perdão dispensado ao próximo, impõe-se indispensável para a recuperação do equilíbrio emocional, lucidez mental, respeito por si mesmo e paz interior.

Ao tomarmos essa lúcida atitude livramo-nos da "sombra" do medo que nos acompanhava desde tempos idos e, ao mesmo tempo, abrimos uma janela para que a entrada da Luz restauradora seja a oportunidade que precisávamos para que a energia do bem e do amor abrangente tornem-se companhias inseparáveis no caminho da evolução espiritual.

JESUS CRISTO, EXEMPLO DE PERDÃO INCONDICIONAL
Joanna de Ângelis, por Divaldo Franco

"Pilatus e Jesus defrontaram-se em níveis morais diferentes. A astúcia e a soberba num, a sua glória mentirosa e a sua fatuidade desmedida. A humildade real, a grandeza moral e a sabedoria profunda no outro.
Covarde e pusilânime, Pilatus não lhe viu culpa, mas não o liberou porque estava embriagado de visão sensorial, lavando as mão...

Ir para a página:


WhatsApp: (11) 9 9191 6085
Política de Privacidade
Política de Cookie
Busca Google